quarta-feira, 29 de junho de 2016

Pudera eu

Pudera eu devolver-te a leveza dos pássaros
para que voasses nas margens do rio
o sorriso que, desperto, em teu olhar
te ilumina o entardecer.
Pudera eu retirar todos os limos
que te resvalam nos gestos
a fragilidade do chão, escorregadio
sob os teus pés vacilantes.
Pudera eu devolver-te num raio de sol
a seiva a pulsar, qual primavera em apogeu
a cingir-te nos braços, o rio ao amanhecer.
Pudera eu atrasar os ponteiros do relógio
para te retardar no rosto os teus olhos cor de rio.

Texto
Ailime.

4 comentários:

emanuel moura disse...

Maravilhoso momento da querida amiga Ailime,muitos beijinhos afilhada

MEU DOCE AMOR disse...

Olá:

Sentido.

Beijinho doce

Luísa Fernandes disse...

Tal como o poema Diz amiga Evanir!! Pudera eu devolver-te tanta doçura ao seu coração e ânimo à sua alma para que nunca desista daquilo que vale a pena...alegria e o maor de escrever e postar tanta coisa linda de encantar. Nunca desista amiga?... Eu também tenho a minha loucura de postar e escrever, ás vezes desanimo, mas Deus me põe outra vez para cima...Nunca desista do que é lindo e faz bem ao coração!! Beijinho amigo querida!...
Luisa Fernandes

ANNA disse...

http://anna-historias.blogspot.com.es/.
Te mando mi blog si quieres darle un vistazo gracias