sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Estrela.


Queria eu

Ser uma estrela

E te acordar

No meio da madrugada

Com meu brilho.

Eu te deixaria lúcido,

Te envolveria

Com minha luz

E te faria

Seguir o meu trilho.

Te abraçaria

Em lugar deserto

E te amaria tanto

Que você, por certo,

Já não iria querer

Voltar pra casa.

Mas,

A luz do sol chegando,

Eu iria embora

Para sonhar

Com meus doces momentos.

E te deixaria assim,

 De tal modo amado

Que cada dia,

Você esperaria

Ansiosamente

A chegada da madrugada...

Letícia Thompson..

3 comentários:

emanuel moura disse...

Que linda estrela querida afilhada ,um amar envolvente e cheio de delicadeza nesse lindo sussurrar de uma estrela madrugadora ,muitos beijinhos no seu lindo coração.

A Casa Madeira disse...

Olá Evanir imagina ser tudo isso para alguém...
Belo poema.
Então agradeço a sua visita lá na casa e também de saber
que por aí tem um beco com o nome Beco da Almas kkk; talvez eu também
nem chegaría perto; se bem que quando a noite cai no sitio dá para se
falar com o vento a gente acostuma kkk.
Por aqui temos que temer são os vivos mesmo. A violência esta crescendo
Brasil a fora.
Bom final de semana.

APENAS PALAVRAS disse...

Lindos dizeres carregado de muita profundidade... Ja estou a seguir desde já.
Vim tambem agradecer sua visita no meu espaço.... Goste de tudo que vi e li, voltarei mais vezes.

bj no coração.